o que há de vir?

O que há de vir? Tem o Devir como ‘narrativa’ dos acontecimentos. Lançar-se a sorte, ao que há de vir, ao futuro, ao instante seguinte, ao acaso, ao imaginário, ao puro acontecimento. São  algumas especulações a despeito da política humana e o existir em uma ilha, ou o Devir ilha. Esta foi uma mostra de artes visuais que se realizou em 2012, no Museu de Arte de Santa Catarina, dentro do projeto palavra e obra, com curadoria de Bené Fonteles. A proposta da mostra foi a montagem de cinco conjunto de obras: molusco habitante; o que há de vir? (vídeo instalação que dá nome a exposição), garranchos, a ilha dedilhada e meia dúzia de objetos-imagem para o livre exercício dos seres.

"Silvana tem paixão como eu pela impermanência, ao mesmo tempo, que a eterniza pelo poder da imagem fotográfica no papel e no vídeo como em “Todocorpo”, as performances contundentes como em “Molusco habitante” e arrebatadoras na intimidade do natural ou na sacralidade do espaço expositivo como é o todo de sua mostra “O que há de vir?”. O vir que já veio e já é da eternidade..."

bené fonteles (curador)

* O que há de vir?, exposição individual de artes visuais de Silvana Leal, com curadoria Bené Fonteles, no Museu de Arte de Santa Catarina - MASC. Florianópolis, SC, 2012.

o que há de vir?
video instalação o que há de vir? dimensão 12x4m
molusco habitante
video instalação concepção e interpretes criadores silvana leal e guaraci cabrera
o sagrado feminino
fotografia digital (plotagem), rede de pesca, conchas de marisco e vieira, bóias. dimensão 105x75, 206x183x83cm,63x63cm
garranchos
fotografia digital impressa em adesivo dimensão 510x21cm
Show More

© 2023 por Pedro Castro. Orgulhosamente criado com Wix.com

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now
garranchos

fotografia digital impressa em adesivo dimensão 510x21cm